Os tempos da fratura – ou um trânsito literal de Urano

“Como encontrar outras temporalidades na cidade?”

Foi essa a pergunta que escolhi fazer. A proposta então era incorporar a questão; meu corpo uma grande pergunta. Das sensações que o atravessaram começamos a traçar um mapa, investigar direções.*

Ela disse que os outros tempos não estavam fora, mas paralelos. O tecido da minha roupa continha uma temporalidade própria, a madeira do chão de taco do meu apartamento, os diferentes tecidos que compõem meu corpo com seus diferentes ritmos. A gata pulou na janela. “É, ela também”.

Isso foi em outubro do ano passado eu acho. O mapa me levou a buscar outra cidade na cidade. Mudei de bairro, mudei pra uma casa, fui morar do lado do parque, mas o tempo central ainda corria na minha pele frenética, eletrizada, nos passos rápidos esbaforidos, nas olheiras insones.

“Essa casa parece a casa da infância de alguém”, me disseram logo depois da mudança. Fiquei feliz com aquela perspectiva. A nova casa sugeria outros tempos.

Estação Barra Funda dez e pouco da noite. Um mar de gente, desço a rampa no contrafluxo. Uma tropa de formigas enquanto um besourinho procura passagem. Vou pelo canto lentamente segurando o corrimão. Lembro que é hora da saída das universidades. 

Muitos olhares vão do meu rosto ao meu pé ao meu rosto novamente. Me estranham, eu estrangeira nesse novo corpo. Passa por mim uma jovem de bengala e nossos olhares se cruzam. “Será que as pessoas que usam muletas se reconhecem assim como as lésbicas se reconhecem quando andam na rua? Ou os corpos se percebem apenas porque habitam a mesma faixa temporal? Será que lésbicas habitam outra faixa temporal?”. Me divirto com essa ideia de uma dissidência no espaço-tempo.

No dia seguinte na mesma estação é preciso estar atenta para não ser atropelada. Paro e deixo passar. Daquelas pessoas olhando o celular, desvio. Procuro coordenar os passos. Encontrar um ritmo entre meus pontos de apoio e as respostas do chão. Corpos apressados cruzam minha direção. Meus pés são convocados a seguir os rastros de vento que deixam no caminho, mas preciso manter meu passo.

“Tão jovem…” eu ouvia por telepatia os olhares dos mais velhos. Lembrei de Dom Casmurro. “Por quê coxa, se bela? Por quê bela, se coxa?”. Era assim que ele dizia da moça que mancava? Não lembro direito. “Tão jovem e de muleta”. Machado de Assis se atualizava no metrô de São Paulo. Como seria receber esses olhares o tempo de uma vida? Eles colariam na minha pele e criariam uma identidade pra mim? Minha estação é a próxima, melhor levantar agora para conseguir chegar na porta a tempo.

Na Sé uma senhora chega ao meu lado, aquela mesma que estava no vagão e me fez pensar que poderia ser uma mulher da minha família. Tinha os olhos puxados, a pele escura, os cabelos grisalhos trançados perto da cabeça, um casaquinho verde, várias sacolas coloridas. “Vai na Igreja Deus é Amor, tem milagre todo dia, lá no Glicério, vai lá, tem cura todo dia, lá na igreja…”. Sorri em silêncio e continuei meu caminho. Ela seguiu o dela. 

Urano se rebela contra a tirania de Cronos, a ruptura inesperada quebra a continuidade dos dias. Suspensão do calendário. Penso na aberração de um mundo onde apenas um único tempo é válido. Um velho tempo de juventude frenética aos poucos se descola de minha pele. Me encontro em outra faixa temporal, outra espessura da vida, recorte de mundo. 

Como se meditasse, observo as pessoas apressadas passando por mim como fluxos de pensamento. Observo tudo passar, o trem passar, as portas se fechando a poucos passos de mim. Não posso correr. Os primeiros segundos na plataforma vazia são só meus. Uma outra frequência, outra velocidade produzindo um furo no real. 

Subo a escada rolante. De repente, no primeiro passo, um baque. Estômago à frente cabeça jogada pra trás. Procuro equilíbrio. Um segundo de estranhamento olho os degraus e vejo: a escada parou. Começo a dar risada, Urano descontínuo se presentifica novamente. Sigo rindo. Por um momento pareceu que meu passo havia congelado a escada. Coisa de criança pensar. 

Tempo-criança tempo-gratuito. Não fui eu que encontrei, fui encontrada. Aprendo a andar pela primeira vez, passos titubeantes e atentos. Agora agora agora agora agora agora… No paradoxo do corte elétrico uraniano: Kairós de lentidão. 

Como foi? Tava em casa andando de chinelo e meia, o chinelo enganchou no chão, o corpo foi e o pé torceu pra dentro. Ridículo. Quebrou. O pior é que eu tava com passagem comprada, ia viajar de férias na semana seguinte. Não, não deu, a política era escrota. Perdi. Foi logo antes do meu aniversário. Não, ainda vai ter um bom tempo de fisio pra fazer. Vem me visitar qualquer dia? 

Julia Francisca, outubro de 2017

* relato sobre a “Terapia Política” proposta pela artista Valentina Desideri. Experiência realizada como escambo por leitura de mapa astral.

Aula aberta de astrologia

“Mapa astral, como funciona? Uma introdução às leituras poéticas” Aula aberta com a astróloga Julia Francisca esse domingo, dia 24/2, das 13h às 14h30

Onde? @institutoapekatu – Rua Airosa Galvão, 139. Perdizes. São Paulo-SP .

Transmissão ao vivo no Instagram @trama_celeste

Como olhar o desenho do mapa astral? O que são os signos, planetas e casas? Como assim ‘leituras poéticas’? Uma oportunidade também para quem deseja saber mais sobre o Curso de formação em astrologia 2019. Haverá sorteio de fanzines e publicações do selo #ediçõesnectarina para quem vier no dia ou acompanhar a live do Instagram! .

Evento gratuito, não precisa de inscrição. Convidem as amizades! =)