Saturno e Júpiter em Aquário: potências e ferramentas para 2021

por Julia Francisca

Como imaginar outros futuros a partir das fissuras de um sistema em ruínas? Como aprender com as plantas e fazer brotar vida das rachaduras do asfalto? Não venho aqui fazer um texto de previsões ou leituras para o ano e sim um texto que traga as potências e ferramentas das efemérides atuais. Quero que esse texto seja um sopro de ar aquariano, um convite para encontrar nova vida a partir dos rasgos produzidos na Terra.

2021 é marcado pelo encontro de Júpiter e Saturno em Aquário, encontro que acontece a cada vinte anos e que inaugura um grande ciclo de conjunção desses planetas em signos de ar. São ciclos longos e coletivos que atravessam gerações – e por isso sua importância astrológica. Não acredito em destinos pré-escritos ou em qualquer espécie de previsão, acredito na força do devir que sempre traz o novo e a diferença. Por isso, olhar esses ciclos numa perspectiva po-ética da astrologia não tem função de trazer respostas, mas de pensar nosso lugar diante de movimentos coletivos e planetários. Podemos aproveitar o céu apenas como um pré-texto e criar novas leituras e narrativas a cada vez. 

Vamos então honrar Aquário, signo do questionamento e insubmissão, e deixar de lado o anseio por leituras determinadas. Seu símbolo é o aguadeiro, mãos humanas que despejam água. Uma imagem-metáfora para o desdobrar dos processos, para o que está em aberto, o porvir das coisas. Capricórnio, signo de terra que o antecede, fala do cultivo e dos recursos, das estruturas e concretudes, da organização dos sistemas ao longo do tempo. Aquário é o sopro de ar que vem em seguida. Quando se chega ao topo da montanha ou no limite de algo, o único caminho é descer e pensar de novo, e criar outros sentidos para a realidade.

Aquário pergunta: para onde queremos ir daqui pra frente? De qual maneira? Como vamos nos organizar coletivamente para isso? 

Júpiter e Saturno na astrologia falam de princípios opostos, mas que se complementam: Júpiter é o espírito jovem, Saturno, o velho. Com um temos a expansão, com o outro; o recolhimento. Abundância e limite, imaginação e concretude, tempo da sincronicidade e tempo cronológico caminham juntos no céu de agora. Qual a fartura que podemos colher em tempos de escassez? Como o princípio da imaginação pode andar de mãos dadas com o princípio da concretude?

Os últimos anos foram marcados por grandes mobilizações celestes no signo de Capricórnio. Plutão, deus do mundo dos mortos, ainda continua sua passagem lenta por este signo. Podemos criar leituras sobre as crises econômicas e políticas a partir daí se quisermos. Velhos sistemas se despedaçando, a perversidade do capitalismo-fascismo escancarando os dentes, os donos do poder usando violência extrema para manter as estruturas de opressão, a morte em massa de pessoas e biomas, extinção de várias formas de vida… 

É possível imaginar outras formas de organização a partir das convulsões de antigas estruturas? Na passagem de Júpiter e Saturno para Aquário, o princípio da imaginação e do criar sentidos de Júpiter se junta com o lugar estrutural e construtor de Saturno. Como podemos nos articular coletivamente de outras formas? Como o dinheiro pode circular de outras maneiras? Qual nosso papel dentro dessa trama das estruturas humanas e ecológicas? De quais formas queremos nos articular? Com quem queremos nos associar? 

Como fazer usos mais libertários da tecnologia? 

A pandemia, o adoecimento global, acentuou um pensamento planetário ao mostrar que respiramos o mesmo ar e precisamos pensar em soluções coletivas. Como defender o SUS? O que podemos fazer coletivamente diante dos bilionários, dessa meia dúzia de pessoas-famílias que comandam o mundo? Concentração de renda nunca antes vista que leva a população de pessoas, animais, vegetais, minerais, nuvens em direção a miséria. Como combater esses poderosos que se importam tão pouco com a vida? Como resistir a um projeto genocida em larga escala, de supremacistas e extrema-direita que não querem dividir o planeta com ninguém que não seja parecido consigo? Como afirmar o valor do novo e da diferença?

Saturno nos ensina que só podemos andar a partir do chão que pisamos e não de um lugar fantasioso. Devemos sempre partir do lugar que estamos, com os recursos disponíveis, reconhecendo as limitações que temos. Essa é a sabedoria do mestre-tempo Saturno-Cronos. Paralelamente, com Júpiter podemos encontrar oportunidades a partir do reconhecimento das rachaduras. Aprender a cavar buracos nessas estruturas em ruínas para produzir a novidade, a diferença. Como podemos aprender com as plantas insubordinadas que brotam nas rachaduras do concreto? 

Aquário muitas vezes é retratado como o signo dos ideais. Pra pensar a potência deste signo proponho o deslocamento dessa ideia colonial, racionalista, de um ideal separado do corpo e da experiência. Saturno em Aquário pode falar disso também, ao invés de pensar em ideal metafísico, em sonhos de fuga da realidade, podemos pensar na imagem do horizonte e da caminhada. Se Aquário é o aguadeiro, o escorrer da vida, podemos pensar em termos de processo, de caminhada, e pra caminhar miramos o horizonte… 

A perspectiva de processo  já se abriu em Capricórnio e em Aquário vislumbra o inédito, o que não conhecemos, a diferença. O horizonte permite caminhar em frente e ter um ponto de referência para olhar o ambiente e território que estamos. Conseguiremos abrir trilhas e desvios nessa caminhada? Como encontrar as ferramentas e recursos de Saturno ao mesmo tempo em que alimentamos a imaginação jupteriana? Como reconhecer a gravidade dos fatos sem deixar de sonhar o fim do capitalismo, o fim do fascismo? 

Júpiter é um planeta que traz como tema a produção de sentidos e significados, por isso sua passagem por Aquário pode nos convocar a não nos deixar abater pelas narrativas genocidas, necropolíticas. Para honrar os tempos de agora, precisamos tomar para si furiosamente a narrativa, não cair na complacência, na melancolia. Não cair na pulsão de morte que diz que é melhor morrer cedo porque não vai ter aposentadoria. Não cair na pulsão de morte que quer apenas uma aglomeração na praia antes que tudo se acabe. 

Prece para Saturno e Júpiter em Aquário: que o sonhar e o fazer sejam soprados pelo ar da liberdade. Que possamos defender o pensamento, a produção de conhecimento, construir narrativas coletivas em defesa da vida. Que possamos afirmar a diferença todos os dias. Aprender com o passado e seguir em direção a emancipação coletiva. Que um novo mundo possa surgir da nossa imaginação potente e insurgente.

Elemento Ar

Fascismo, ascenção da extrema direita, discurso de ódio, desmonte das políticas de saúde, cultura, educação, desgoverno, desinformação, fake news… O quê isso tem a ver com o elemento ar? A astrologia é uma linguagem que pode ser usada para falar de qualquer assunto, ela tem um vocabulário próprio que serve para produzir leituras e sentidos. Os signos de ar – Gêmeos, Libra e Aquário – são os únicos do zodíaco que não tem representação animal. O ar é O elemento da cultura humana, do que produzimos no contato com nossa comunidade, com nossa espécie (não vou entrar em debates da antropologia agora, vamos ficar com o senso comum do que entendemos por cultura). Todos os campos de conhecimento pertencem ao ar, é o elemento que fala do invisível que circula entre nós, é pelo ar que o som da nossa voz chega aos ouvidos dos outros, elemento do patrimônio imaterial, da história, da política, das artes, das ciências, das linguagens, do ensino e aprendizagem, dos códigos sociais, da ética…

Passamos de um momento histórico de super valorização do pensamento “racional”, abstrato, técnico (cheio de problemas colonizadores persupuesto) e chegamos nesse novo momento onde toda forma de produção de saber parece estar sendo atacada. Ouvi uma frase na última eleição que até hoje não sai da minha cabeça: “é fake news mas eu acredito”. Que tipo de diálogo podemos travar com alguém que deliberadamente abriu mão da capacidade de pensar? “Acredito no que quero acreditar” é um desmantelamento de qualquer parâmetro para produzir conhecimento e diálogo. Uma ofensa para todos os signos de ar e o que eles representam. O ar é o elemento que questiona, que faz perguntas, que circula sobre uma situação para olhar de outros ângulos, é um elemento que fala da capacidade de ver o invisível, de criar o que ainda não foi visto. Que trocas estabelecemos com nossa vizinhança, com o espaço público, com os grupos que fazemos parte, com a aldeia, com o bairro, com o quilombo, com a cidade, com o país, com a América Latina…?

Elemento da sociabilidade. Gêmeos abre o campo das perguntas e experimentação para aprender e criar nomes, Libra vai abrir para os encontros, relacionamentos e os diálogos e Aquário vai pensar nesses processos num nível amplo e coletivo para imaginar o futuro.
Por quê é importante a astrologia falar de fascismo? A resposta mais primária é que temos que discutir sobre isso em todos os espaços. Mas existe um outro motivo importante: essa “área” muito próxima do esoterismo, misticismo, espiritualismo muitas vezes é atravessada pelas ideias de determinismo, “plenitude”, “harmonia total”, apaziguamento das dúvidas, busca por um “todo”, um “absoluto iluminado” . Claro que há muitas leituras filosóficas possíveis para esses termos mas observo que muitas vezes o discurso da “harmonia total” flerta com o pensamento totalitário. Se devemos estar inteiramente “plenos”, se a harmonia deve prevalecer acima de tudo, qual espaço há para o questionamento, para a discussão, para outros olhares e consequentemente para a diferença? E é isso que o fascismo e totalitarismo prega: a eliminação de qualquer diferença. Extermínio literal pelo genocídio e extermínio simbólico através da censura e manipulação do discurso. Pois o ar é o elemento que ama a diferença. Libra muitas vezes é pintado como signo romântico por ser regido pela deusa do amor Vênus mas o amor de Libra não se resume a encontrar alguém pra casar, é o amor pela interlocução, pela potência de existência que o encontro com o outro permite. Esse amor pelo “outro” não se resume as pessoas, mas também as ideias, pontos de vista diferente que expandem nosso contato com a vida. Esse é um amor que todos os signos de ar partilham pois esse é o elemento que fala da potência humana de criar no encontro com os outros, de transformar o mundo a partir desse contato, de não se submeter a destinos prontos e determinados.  Todos os elementos falam de princípios vitais e no caso do ar o grande assunto é a potência da linguagem e aprendizagem. Não importa se a pessoa tem uma condição neurológica, todas as pessoas têm a potência da linguagem e da aprendizagem (inclusive as pessoas bicho, planta, pedra mas isso é outra conversa). A linguagem produz singularidade e ao mesmo tempo é o que temos em comum, é o que permite nos organizar, nos associar, conversar, partilhar.

A crise que vivemos é ética e estética, devemos pensar nas imagens e discursos  que queremos produzir se quisermos criar outras convivências menos violentas e estúpidas. O ar pode nos ensinar sobre a importância do questionamento, da pesquisa, do olhar complexo que considera diversos pontos de vista, do valor da diferença. Estamos em um momento onde a asfixia não é apenas metáfora e estudar, pesquisar, dialogar, produzir arte é exercício de oxigenação, de resistência. Não é possível tolerar a intolerância, no limite estamos falando de uma defesa da própria vida, do vital.

Homenagem a Goya – Odilon Redon, 1885

Gêmeos

O Sol está em Gêmeos, o ar mutável do zodíaco. Vênus também vai passar algum tempo nesse signo. O ar é o único elemento do zodíaco que não tem representação animal. É o elemento da cultura, da linguagem humana, disso que criamos na troca com a nossa comunidade. Gêmeos é o primeiro ar do zodíaco. Gosto de pensar que ele traz essa imagem do aprender a falar, exercício de nomear as coisas, como dois bebês conversando, quando o som e o significado não estão fechados. É um signo que fala da liberdade para imaginar, potência de olhar além do que já está visto. Depois que as “coisas” se formam na terra fixa de Touro elas devem circular e criar trocas entre si, aí temos o signo de Gêmeos. Ar nômade, da criação de novos caminhos, da liberdade e aleatoriedade de se brincar com as linguagens. Uma moralização comum na leitura desse signo é considerar que tem a ver com falsidade, “duas caras”, fofoca… Proponho outras imagens: pense numa criança nos primeiros ano de vida. Ela vai experimentar com o mundo ao redor, com o ambiente, com as coisas, pessoas que estão ao seu alcance. Ela vai e volta, faz um caminho várias vezes, erra, erra, acerta, erra, acerta… É o signo da cartografia e não dos mapas que já estão desenhados e cristalizados. É o signo da multiplicidade, da complexidade, abertura de pontos de vista – e não redução. Tem um vídeo da @joutjout em que ela conversa com uma amiga sobre “aprender a aprender”. É essa ideia de que é mais importante aprender a aprender (questionar, pesquisar, etc.) do que se limitar a memorizar um “conteúdo” fixo –  já que o mundo está em constante mudança. Estamos em um momento sinistro em que o aprender, a educação, a arte, o pensar, o saber estão sendo atacados, vemos uma exaltação da ignorância, “acredito no que quero acreditar”. Ao mesmo tempo o moralismo burro, a brutalidade, o ódio bruto. Pois Gêmeos nesse momento pode falar de uma resistência do pensar, das linguagens, artes e saberes. Pode nos ensinar sobre os caminhos errantes da aprendizagem num mundo instável, a importância do questionamento, da investigação, abrir campos curiosos para que o pensamento possa ebolir.