Solstício de Verão

 

Sol por Edvard Munch

SOLSTÍCIO DE VERÃO, 21/12/2019.

 

Renascer do Sol, dia mais longo do ano, åpice de luz. O Sol mítico, fonte da vida e do calor, recebeu cultos de tantos povos… A imagem da ressureição aparece aqui numa lógica de tempo cíclico. Se entender com os ritmos do cosmos, as marcas, as repetições. Mais tarde, século IV, a data do nascimento de Jesus foi transferida para este período do ano. Uma forma de encobrir “cultos e festejos pagãos”. Tolos os que pensam que cultuar o Sol se resume a adorar um elemento da natureza. Prestar homenagem ao Sol, ao princípio solar, é reverenciar um princípio vital, a capacidade de renascer todos os dias e recuperar o brilho mesmo depois do inverno.

As imagens e símbolos do solstício se relacionam diretamente a CAPRICÓRNIO, signo onde o Sol faz passagem essa época do ano (22/12-20/01). A imagem do cume, do ápice aparece aqui novamente.A busca do cume da montanha, escalar as pedras da vida para chegar ao topo, edificar algo, estruturar, deixar uma marca própria nessa Terra. Porém muitos esquecem que Capricórnio é meio bode mas tem rabo de peixe. O rabo de peixe chama Capricórnio de volta para o oceano, oferecer o brilho conquistado de volta para o todo, para o coletivo, para o desconhecido novo. Não precisa ser visto como sacrifício, para isso sugiro a imagem da lapidação. Trabalhar com a dureza da matéria para alcançar o mais alto brilho do diamante, renascer nesse processo, solstício da alma.

Em 2020 Júpiter estará em Capricórnio. O planeta da expansão no signo da estruturação. Planeta da abundância no signo da economia. Como encontrar expansão e otimismo diante da dura realidade? É possível acreditar em outros futuros sem perder o realismo? É possível sonhar de olhos bem abertos?

Sem perder a noção do tempo e espaço? Talvez Júpiter em Capricórnio nos ajude a cultivar a confiança desde o grãozinho seco que sobrou do último inverno (ou das últimas eleições…). Sonhar sem delírios e idealismos, sonhar com os dois pés no chão, se estruturando, planejando, semeando… Encontrar ferramentas para “organizar a revolta e defender a alegria”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *